Created by Susanne Stock

Atenção plena: Absurdo esotérico ou a abordagem de liderança do futuro?

O tema "mindfulness" é um dos principais assuntos de discussão entre os executivos. Ele é acompanhado por promessas amplas: funcionários resistentes ao estresse, resilientes, prevenção de burn-out, relaxamento e bem-estar e talvez até uma espécie de "iluminação" interna.

Para ser honesto, o que você acha quando ouve o termo " mindfulness "? Quando comecei a estudar esse tema há alguns anos, eu estava muito curioso por um lado, mas muito cético por outro. Eu tinha medo de nerds de meditação esotericamente retirados com meias peludas e vozes entoadas em canções monótonas.

Felizmente, minha curiosidade prevaleceu na época e sou grato pelos encontros com pessoas cuja autenticidade, força de vontade e entusiasmo pela vida me inspiraram e me mostraram que a atenção plena não tem nada a ver com a falta de contato com a realidade - pelo contrário. "Atenção plena significa estar atento de uma forma especial: intencionalmente, no momento presente e sem julgamento", diz Jon Kabat-Zinn, que tornou a atenção plena sociável aceitável no mundo ocidental através de seus anos de pesquisa e cursos de gestão do estresse.

Na promoção de hoje dos seminários "Liderança Consciente", a imagem das meias de lã está sendo substituída por pés descalços. Vejo um gerente de terno, mas com os pés descalços, sentado de pernas cruzadas em um prado e meditando.

Uma imagem agradável e, ao mesmo tempo, acredito que isso continua a causar mal-entendidos.

Os líderes me perguntam: Como a prática regular de meditação no mundo dos negócios me ajuda quando fica realmente estressante? Quando se trata de tomar decisões rápidas? Ou devo pegar meu mat de meditação durante uma reunião cheia de conflitos com minha equipe e meditar por 10 minutos?

O futuro pesquisador Matthias Horx escreve em seu futuro relatório 2016:
"O conceito de atenção plena não pode ser compreendido sem usar a palavra
eficácia pessoal: a atenção plena olha para dentro sem negligenciar o mundo exterior."

Ser um líder consciente significa não apenas habitar na visão interior e perceber as próprias necessidades, mas também ser capaz de ver meu entorno com mais clareza e responder enfaticamente às necessidades dos outros. Essa atenção consciente me ajuda a sair do meu 'piloto automático interior' em situações difíceis e agir conscientemente em vez de apenas reagir automaticamente. Ao fazer isso, aumento minha eficácia pessoal e posso aumentar o número de opções de ação que estão disponíveis para mim. Na melhor das hipóteses, também ajudo funcionários e colegas a desligar seu piloto automático, resolver construtivamente conflitos e ver mais opções de soluções.

 

Especialmente em reuniões de equipe e situações de conflito, algumas intervenções de liderança consciente muito pragmáticas podem ajudar a aumentar a eficácia de uma equipe:

Fazer Check-in:

  • Junto com a equipe, aproveite um momento consciente juntos para chegar na reunião. Vinte segundos de silêncio são suficientes. Então você começa uma pequena introdução em que todos respondem às perguntas:
  • Quão presente estou aqui (em uma escala de 1-10)? O que é importante para mim nesta reunião? Como quero me envolver?

Presença:

A simples regra de desligar o telefone e o laptop e removê-lo da mesa garante presença e foco nas metas de cumprimento. Isso torna as reuniões muito mais eficientes e sem estresse. Toda mudança de foco consome muita energia mental e faz com que os níveis de estresse interno aumentem e possivelmente até causem emoções negativas que não têm nada a ver com o encontro atual. Ao mesmo tempo, é uma forma de apreciação quando os participantes podem ouvir ativamente uns aos outros e fazer perguntas significativas ou fazer referências a outras contribuições.

Meta-comunicação em vez de repreensões:

Espelho de volta para sua equipe o que está acontecendo. Por exemplo, se acontece que alguns estão olhando para telefones celulares ou tendo discussões acaloradas que não são eficazes, descreva para sua equipe o que você está (conscientemente) ciente neste momento, como: "Eu só notei que a discussão está sendo realizada por duas pessoas aqui na sala e eu não ouvi nada dos outros membros da equipe por 15 minutos e que alguns começaram a olhar para o telefone. O que precisamos trabalhar juntos para esclarecer as diferenças existentes e chegar a uma decisão como equipe?" Este tipo de metacomunicação descreve o que você percebe no nível de processo e comunicação sem ser repreensivo ou crítico. Desta forma, a equipe tem a chance de desligar o modo piloto automático e encontrar uma nova maneira de lidar uns com os outros e resolver problemas.

Criando segurança e definindo regras claras para lidar uns com os outros:

O conhecido conceito de negociação de Harvard funcionou de acordo com a regra básica: "Duro no problema, suave com as pessoas". Somente quando os membros da equipe podem confiar em ataques pessoais sendo um "não-ir" na resolução de conflitos é que uma equipe pode se desenvolver construtivamente. Essa segurança psicológica proporciona um relaxamento básico na equipe que permite que qualquer pessoa expresse livremente suas opiniões - sem medo de desdém ou contra-ataques. Como líder, você reforça essa base segura exigindo clareza e diversidade tanto quanto a apreciação e o respeito incondicional de todos os envolvidos e suas perspectivas

Check-out:

  • Termine seu encontro com um breve ciclo de aprendizado: "Como nos sentimos sobre o resultado? Como nos sentimos sobre a forma como cooperamos e nos comunicamos hoje? O que desejamos para nossa próxima reunião?
  • Dessa forma, você apoia seus funcionários para fechar bem a reunião - não apenas objetivamente, mas também emocionalmente. Esse formulário também facilita a mudança para a próxima reunião e enfrentar o próximo desafio empresarial e/ou emocional.

Para mim, essas intervenções de liderança são agora menos sobre meias peludas e mais sobre cumprir o papel de liderança de forma mais autêntica. Para mim, a curiosidade valeu a pena. E quanto a você?


Voltar